sábado, 20 de junho de 2015

XII Domingo Comum – Ano B: Teu mar é tão grande; meu barco é tão pequeno!

Jó 38,1.8-11
Sl 106
2Cor 5,14-17
Mc 4,35-41

Hoje, o Evangelho nos apresenta Jesus na barca, dormindo, cansado, ao anoitecer. Tão doce, essa imagem... Essa barca é a Igreja e pode ser considerada também como figura da nossa própria vida. Como quer que seja, o cenário é desolador mete medo: é noite, no meio do Mar da Galileia, e, de repente, levanta-se uma tempestade de vento muito forte, com as ondas lançando-se barco adentro.

Pensemos, caríssimos, que muitas vezes é assim que percebemos, seja a realidade da Igreja, seja a realidade de nossa própria existência.
Tanta vez é noite e nada podemos enxergar com clareza;
tanta vez as ondas parecem agitar tudo, e as torrentes ameaçam nossa pobre barquinha, de modo que nos sentimos pequenos e impotentes, como os navegadores descritos pelo Salmo de hoje: “Ele ordenou, e levantou-se o furacão, arremessando grandes ondas para o alto; aos céus subiam e desciam aos abismos, seus corações desfaleciam de pavor”.
Ai! Que tantas vezes encontramo-nos nessa situação, tantas vezes vemos a Igreja encontrar-se assim!
E o Senhor, como no Evangelho de hoje, parece dormir, parece alheio à nossa aflição, distante da nossa angústia, incapaz de nos salvar... Quantas vezes temos de dizer: “Senhor, por que dormes? Por que não respondes? Por que parece que não vês a dor e o sofrimento?”
Tempos do Senhor, modos do Senhor, que nos desorientam!

Não é ruim que gritemos ao Senhor, caríssimos, pois gritar-Lhe, pedir-Lhe e até queixar-se a Ele é sinal de fé. Só quem crê e considera realmente Deus como Alguém e não como uma ideia abstrata, é que reza realmente! Então, gritemos, então, rezemos, então supliquemos!
Só não o façamos com a atitude de descrença dos apóstolos! O mal deles não foi acordar o Senhor, não foi suplicar por socorro. Não! Seu mal foi duvidar do Seu amor! Vede, caros meus, como eles dizem: “Não Te importas que estejamos perecendo?” Duvidam da solicitude do Senhor, duvidam de Seu cuidado por eles, duvidam do Seu amor pela humanidade e por cada um de nós: “Não Te importas?” Chegam até a repreender o Senhor!

Aconteça o que acontecer conosco, meus caros, não temos o direito de duvidar do amor de Cristo, da Sua presença, do Seu cuidado para conosco.
Olhemos a cruz! Conhecemos o amor de Deus para conosco, sabemos o quando Cristo nos quer bem, o quanto é nosso amigo, pois que não há maior prova de amor que dar a vida pelos amigos” (Jo 15,13), e Ele deu a Sua vida por nós...
São Paulo nos recorda, na segunda leitura de hoje, que “um só morreu por todos, para que os vivos não vivam mais para si mesmos, mas para Aquele que por eles morreu e ressuscitou”.
E então, meus caros? Aquele que vai na nossa barca, na barca da Igreja e na barca da nossa vida, é o mesmo que Se deu todo a nós e todo por nós; Aquele que por nós morreu e ressuscitou!
Gritar por Ele, sim;
clamar por Ele, sim;
suspirar pelo socorro Dele, sim também;
mas duvidar e reclamar com soberba descrença, não!

Será que não cremos de verdade que Ele é o Senhor, que Ele está vivo?
Será que não sabemos com todo o nosso coração que Ele é o Deus que domina o orgulho das ondas do mar?
Vede como Ele impera, como ordena: “Silêncio, mar! Cala-te!” E, que diz o Evangelho? “O vento cessou e houve uma grande calmaria”.
E, então, Jesus perguntou aos Doze, e nos pergunta a nós: “Por que sois tão medrosos? Ainda não tendes fé?”
– Então, Senhor, por que tenho medo, se nada é impossível para Ti?
Por que me entristeço tanto, se nada é impossível para Ti?
Por que me sinto sozinho, abandonado na vida, inseguro, preso pelo destino, se podes tudo, se venceste a morte; se sei que nada é impossível para Ti?

Para a mentalidade bíblica, era muito claro que somente Deus pode domar o mar. E ainda hoje, o homem da tecnologia, tão prepotente e metido a autossuficiente, treme de medo diante da potência do oceano. Por isso, a pergunta assustada dos Doze: “Quem é Este, a Quem até o vento e o mar obedecem?” Pois bem, este é o próprio Deus!
Isso mesmo: Jesus é Deus, Jesus acalma o mar!
Hoje, caríssimos, temos a ilusão que podemos controlar nossa vida e nosso destino. É mentira, é ilusão, é soberba idolatria! A barquinha de nossa vida, que atravessa o mar borrascoso deste mundo, está nas mãos do Senhor. Então, entreguemo-nos a Ele, confiemo-nos em Suas mãos! E, se Ele parecer dormir, não temamos, porque estará sempre conosco e, se olharmos bem a Sua cruz, saberemos com toda certeza que, venha o que vier, Ele nos ama, Ele faz conta de nós, Ele não nos esquece!
Aliás, esta é a grande diferença entre quem crê e quem não crê: para aquele que de verdade acredita no Senhor e Nele coloca sua confiança, venha o que vier, ele espera e confia, ele sabe que está nas mãos de Alguém que nos ama.
Afinal, o que sabemos da vida?
Que sabemos do modo como Deus dirige o mundo e nossa existência?
Será que não percebemos que o Senhor está presente no silêncio tanto quanto está presente quando nos fala?
Será que não vemos que Ele está ao nosso lado no sorriso como também no pranto?
Será que esquecemos que mesmo a treva para Ele não é escura? Ele é a luz e, com ele, a própria noite resplandece como o dia! Pensemos ainda nas palavras do Salmista: “Gritaram ao Senhor na aflição, e Ele os libertou daquela angústia. Transformou a tempestade em bonança, e as ondas do oceano se calaram. Alegraram-se ao ver o mar tranquilo, e ao porto desejado os conduziu. Agradeçam ao Senhor por Seu amor e por Suas maravilhas entre os homens!”

– Senhor Jesus, perdoa porque ainda somos medrosos, ainda temos tantos temores!
Quantas vezes juramos confiança em Ti;
quantas vezes dizemos que Te amamos...
Mas, na tempestade e na treva do mar bravio e profundo, tememos e duvidamos e, ainda, raivosos, temos queixas de Ti e a Ti acusamos...
Perdoa nossa insensatez, perdoa nossa descrença, perdoa nossa cegueira!
Conduze, Tu mesmo, como bem quiseres, a barquinha da Igreja, o barco pequenino da nossa vida!

Dá-nos a confiança de que Tu és o fiel condutor e o porto bendito, no qual um Dia ancoraremos para sempre a pobre barca da nossa existência. Amém.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro Irmão, serão aceitos comentários que não sejam ofensivos nem desrespeitosos.